Professores da rede pública ganham mais que na rede privada, e daí?

Dados divulgados no final do mês de março pelo IBGE, na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio, mostram que a rede pública já paga, em média, salários melhores aos seus professores na educação básica em comparação à particular. Por outro lado, dados da FGV, de levantamento realizado em 2013, sobre o crescimento do número de alunos da educação básica mostram que a rede particular cresceu mais de 20% nos últimos anos, enquanto a rede pública perdeu alunos. Tais constatações refletem que dinheiro é importante, mas não determinante para melhorar a qualidade da educação.

O custo por aluno da rede pública, em media, é maior que a receita da rede privada, basta pegar o orçamento das secretarias municipais e estaduais e dividir pelo número de alunos atendidos. Como resultado vamos perceber que as diferenças – a maior para a rede pública – são desconcertantes.

A explicação para essa dicotomia está na incompetência dos administradores públicos na gestão dinheiro e da escola, assim como na falta de comando da educação pública. Foi delegado aos movimentos sociais a gestão dessa montanha de dinheiro, e com eles foram ampliados os benefícios, os cargos nas secretarias e conselhos, bem como diminuiu-se o tempo dos professores em sala de aula e, portanto, com a “justificativa” da qualidade os professores não estão obrigados a dar aulas.

Para os governantes as pastas da educação tornaram-se cobiçadas pelos partidos, especialmente os de esquerda, pois para manter o discurso, ocupam e criam cada vez mais cargos e lá colocam seus apadrinhados que estão mais preocupados em manter seus cargos e privilégios do melhorar a qualidade da educação. Enquanto isso, o fato é que a escola particular, com gestão eficiente dos recursos financeiros e humanos, consegue um resultado comparável com a educação dos países melhores classificados nas avaliações internacionais a custos muito inferiores a escola pública.

As constatações demonstram a falácia do discurso da esquerda de que com mais recursos a melhoria da educação seria automática. Na verdade, aumentou-se substancialmente os recursos para a educação e por consequências os salários dos professores, porém aumentaram em proporções muito maiores, os cargos, controles, planejamento, supervisão, etc.

Realmente a melhoria da qualidade da educação necessita de muito trabalho, foco na sala de aula que é onde a educação realmente acontece. Precisa de uma gestão profissional da unidade escolar e, para tanto, precisamos acabar com as eleições para diretores e colocar nesses cargos profissionais com perfil de gestão. Perfil não se seleciona pelo voto, é necessário dar autonomia financeira e administrativa para o diretor, com recursos e poder para gerir a unidade escolar, que poderá ser feito em conjunto com a comunidade, mas vejam, em conjunto. Não tardaremos a perceber o tamanho do elefante branco que se tornou as secretarias de educação, que em tempos de crise e recursos limitados, logo não poderão pagar os salários. E a qualidade da educação? Bem, isso fica para depois de receber – em dia – os salários…

Ademar Batista Pereira, educador, diretor de escola, membro do Sinepe/PR e articulista do site www.esominhaopiniao.com.br

Print Friendly, PDF & Email
This entry was posted in Artigos. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *