Por que protestamos?

O brasileiro é conhecido por ser conformado por natureza. O que houve, então, para sairmos em manifesto pelas ruas nos últimos dias? O aumento da tarifa? Acho uma justificativa pouco provável. Da última vez que tivemos um movimento dessas proporções foi pelo fim da ditadura e depois com os caras pintadas em nome do impeachment do presidente Collor. Naquele tempo, muitas lideranças e até a própria imprensa chamavam o povo para a grande movimentação.

Agora, após conquistarmos muitos direitos, podemos falar e escrever o que quisermos. Por parte do governo e do modelo democrático de gestão vimos a criação de diversas bolsas-auxílio, aumento do crédito para compras, os impostos parecem ter diminuído para aumentar as vendas e o consumo. Mas, então, por que protestamos? Tenho um palpite: as pessoas estão se dando conta que o modelo de gestão pública do nosso país está falido.

Neste modelo de democrático que vivemos, pagamos impostos nos municípios e o dinheiro vai todo para Brasília para o governo central definir o que é melhor para o Brasil. Este mesmo modelo permite que cada governante eleito – seja presidente, governador ou prefeito – não poupe recursos para cargos de confiança, mordomias, etc. Neste caso, a conta não fecha e aí faltam recursos para a saúde, educação e segurança.

Esse modelo de democracia faz dos políticos eleitos donos de seus mandatos. Ao povo que os elegeu não sobram grandes recursos para tirá-los do poder. Podemos comparar a administração dos 5 mil municípios brasileiros a administração de um condomínio e, logo veremos que os números não fazem muito sentido. Com um prefeito e 9 vereadores que recebem salários incompatíveis com a média de salário da sua cidade e que colocam em seus gabinetes amigos e parentes, faltam recursos para manter o básico.

Sobra burocracia e incompetência e falta o mínimo de cuidado com o dinheiro público. Trata-se de um modelo de gestão pública que penaliza o empresário, que não oferece um mínimo de qualidade em qualquer serviço, especialmente nos mais essenciais, como saúde, educação e segurança. Sim, precisamos mudar o modelo, mas por onde começar?

Devemos começar por:

A) alterar a lei de organização de partidos, para que o partido seja organizado nas bases. Que não exista mais a executiva provisória nos partidos, que todas sejam executivas eleitas e com mandato, das municipais a nacional, alterando a ordem de formação: as municipais elegem a estadual, as estaduais elegem a nacional.

B) fazer uma reforma fiscal, em que a maioria dos recursos arrecadados fiquem nos municípios, redistribuindo as funções.

C) reforma política com voto distrital, não permitindo mais de duas eleições para o mesmo cargo no legislativo.

D) limitar o número de vereadores e cargos de confiança nas diversas esferas do governo, especialmente nos pequenos municípios.

Ademar Batista Pereira – Diretor da Escola Atuação, presidente da FEPEsul (Federação dos Estabelecimentos Particulares de Ensino da Região Sul) e articulista do site www.esominhaopiniao.com.br.

Print Friendly, PDF & Email
This entry was posted in Artigos. Bookmark the permalink.

One Response to Por que protestamos?

  1. Jorge L. Müller says:

    Prof. Ademar:

    Concordo com seu diagnóstico. Mas acho que a primeira medida a ser tomada é distinguir entre funções de governo e funções de Estado, limitando, drasticamente, as primeiras e valorizando as segundas. Sm aumentar a máquina pública.

    Abr,
    Jorge L. Müller

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *