2014, que ano para nós brasileiros!

O ano de 2014 será registrado na história do Brasil como tão rápido e tão demorado, intenso e tranquilo… inesquecível. Rápido, pois com a Copa do Mundo, as eleições e toda a discussão política, não vimos o ano passar. Demorado, pois para a maioria do setor produtivo sobrou ano no faturamento, ou seja, faltou grana.

Intenso para o setor produtivo brasileiro e as pessoas que pagam impostos, pois o ambiente para empreender está cada vez mais complicado. O pequeno empresário está endividado, com a maior carga tributária e a maior burocracia de todos os tempos. Tranquilo para o povo, pois com o seguro desemprego garantido, bolsas-auxílios e vales existe uma extensa expectativa de direitos. Resumindo, o povo brasileiro cada vez mais desenvolve uma visão individualista e unilateral de que pode ter apenas direitos e não deveres.

Inesquecível pelos eventos e grandes discussões que aconteceram. Começamos com grandes expectativas em relação a Copa do Mundo, a realização de grandes obras no país, de mudanças que poderiam vir com as eleições. O maior fiasco de todos os tempos deu-se com o resultado da Copa do Mundo, com o placar 7×0 favorável para Alemanha. As obras da Copa também não deixaram de ser um fiasco. A única concluída a tempo e dentro do orçamento, foi o CT da Alemanha na Bahia, enquanto as outras 200 e tantas ficaram mal acabadas e custaram o dobro ou o triplo do orçado.

As eleições comprovaram que roubar no Brasil compensa. O escândalo da Petrobras mostrou que nunca antes na história desse país roubou-se tanto de uma estatal, imagine nas outras estatais e administração direta. E logo por quem chegou ao poder pregando honestidade e criticando a roubalheira dos outros. Foi marcante devido aos mensaleiros ficarem praticamente o ano todo internados na Papuda, pois a cadeia deles não foi nas mesmas condições dos ladrões comuns. Também pela primeira vez foram presos os diretores de grandes empreiteiras envolvidas nos desvios do mensalão e sua continuidade, mas ficamos com a sensação de que o roubo compensa, pois um ano de cadeia é pouco para quem rouba nessa proporção.

Conseguimos também a proeza de dividir o Brasil em Norte e Sul, entre os que votaram no PT e no PSDB, dividindo trabalhadores do setor produtivo. Teoria sem qualquer sustentação, mas que faz 2014 entrar para a história como o ano em que ficou claro as posições, os pobres contra os ricos. Mesmo em que pese que muitos ricos votaram no PT e muitos pobres não. Talvez a pobreza e a riqueza não seja de dinheiro, mas de informação e entendimento da situação, de espírito.

E para finalizar o ano, todos os governos, municipais, estaduais e federal aumentarão os impostos daqueles que já pagam a maior carga tributária do mundo. Vemos isso ocorrendo inicialmente em Curitiba e no Paraná, mas seguramente acontecerá em todo o Brasil independente de quem está no governo, independente de não apresentarem nada que justifique, pois a qualidade dos serviços públicos continua ruim e piorando cada vez mais.

O povo que paga impostos que se prepare, pois a sede de arrecadação nunca foi tão grande, e continua crescendo.

Ademar Batista Pereira

Print Friendly, PDF & Email
This entry was posted in Artigos. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *