A falta que o mérito faz!

Vivemos um momento preocupante em que prega-se o crescimento sustentável, e, por sustentável entendo algo duradouro, mas na verdade o que temos são dados conflitantes.

Temos a menor taxa de desemprego dos últimos tempos e nunca gastamos tanto com seguro desemprego! Saímos de um orçamento de algo como R$ 10 bilhões para R$ 50 bilhões nos últimos 10 anos para arcar com o seguro desemprego. E tudo isso porque as pessoas têm o direito de se apropriar de um dinheiro e ficar sem trabalhar por algum tempo. Com isso, onde fica o mérito de trabalhar e crescer por meio do esforço e dedicação?

O crescimento da economia brasileira foi muito abaixo dos países em desenvolvimento. A maior justificativa é o baixo investimento em infraestrutura e o mau uso dos investimentos em educação.

Somente no Brasil é possível que pessoas se aposentem aos 50 anos de idade, pois contribuíram com o INSS por 35 anos ou menos. Aos 50, muitos continuam trabalhando normalmente e recebendo a aposentaria, onerando assim o sistema.

Nas escolas temos as aprovações automáticas, mesmo que as crianças não aprendam. Os professores aprovam seus alunos sem pestanejar, pois caso contrário a Justiça os obrigará a tomar esta atitude.

Por outro lado, temos salas de aulas com crianças de 12 anos convivendo com um jovem de 17 anos que já tem diversas passagens pela polícia. Mesmo assim ele tem o direito de estudar, mesmo que isso leve a turma toda a ter problemas de aprendizado ou de outro gênero. No Brasil é assim, um delinquente tem direitos até melhores que outro cidadão comum.

Somente no Brasil temos feriados nacionais, religiosos e municipais. Institui-se esses feriados para atender segmentos ou grupos de direitos, afinal trabalhar não é considerado um mérito.

Estamos no país das ‘bolsas’, onde o assassino de um trabalhador ao ser preso recebe bolsa reclusão, enquanto a família da vítima nada recebe. A última ‘bolsa’ saída diretamente de Brasília é a do ensino médio. A justificativa de sua criação é que os alunos precisam de dinheiro para estudar, ou seria a compra dia votos dos jovens de mais de 16 anos?

Precisando urgentemente retomar o mérito como princípio de crescimento e desenvolvimento. Princípio que preza que todos tenham as mesmas oportunidades e que vença o melhor, caso contrário corremos o risco de eternizarmos a máxima de Brasil: o gigante adormecido. Adormecido nos direitos, na preguiça, na ociosidade e na incompetência.

Ademar Batista Pereira – membro da executiva estadual do PV.

Print Friendly, PDF & Email
This entry was posted in Artigos. Bookmark the permalink.

10 Responses to A falta que o mérito faz!

  1. Joelson says:

    Acredito que a ideologia da meritocracia (também) está passando por revisões. O principal objetivo é dar a todos o mesmo ponto de partida.
    Está ficando cada vez mais claro que o crescimento do PIB não é a melhor maneira de se perceber a real evolução de um país.
    É complicado generalizar-se certos argumentos, às vezes desvia o foco do real problema a ser enfrentado; o trabalho não ser considerado um mérito é observação vaga se confrontada com a seguinte dúvida: o acesso à educação pode ser tratado no âmbito da meritocracia? Não seria a educação o início da solução de nossos problemas?
    Parabéns pelo trabalho frente ao grupo Atuação.

  2. Adri says:

    Concordo Ademar! E isso é aprendido e ensinado , precisamos mudar o pensamento do “menor esforço , “do jeitinho em tudo”, “do levar vantagem” .
    Abraços Adri

  3. Estelita Chaves says:

    Parabéns, concordo em gênero, número e grau!

    Estelita Chaves

  4. Cleidi Garcia says:

    É o fim do mundo: quando um “ser humano” faz coisas absurdas e vai preso, e a família recebe bolsa reclusão, e os alunos de má índole estudam juntos com os alunos normais que querem aprender, e mais, hospitais de 10 leitos na UTI 08 são de “humanos” acompanhados de policiais ou seja, mau caráter, onde tiram as vagas de trabalhadores e pessoas honestas que se acidentam.
    Que país é esse?????????? O Brasil um país que se vende fácil e é liderados por poderosos incompetentes.
    Se as autoridades não resolverem, peço a Deus que Ele acabe em breve com tudo!

  5. Edson Girelli says:

    Bom dia!!!
    É meu amigo em terra de cego que tem um olho é rei, lugares como a Girelli Refrigeração e a Escola Atuação são ilhas no meio do caos que virou nosso país, infelizmente o problema não é político e sim cultural, a cultura implantada no país é essa e tende a se agravar, é a lei de viver com o menor esforço possível.

    Atenciosamente:

    Edson Girelli
    Engenheiro Mecânico

  6. Zildene Santos says:

    muito bom.
    Concordo em gênero e grau.
    Pena que não aprendemos ainda uma linguagem que atinja a massa brasileira que insiste em votar nesses que infelizmente estão estacionando o Brasil.

    Zildene Santos.

  7. Jorge L. Müller says:

    Prof. Ademar:

    Por barbeiragem digital, enviei o texto antes de conclui-lo. Dizia que, a meu ver, a esquerda marota quer levar vantagem, na discussão, a partir da prévia desqualificação do argumento e do oponente, tachando-os, a ambos, de “neoliberal”. Isto porque, ao invocarmos o mérito, estaríamos desconsiderando as diferenças de oportunidades sociais e culturais, no ponto de partida. Portanto, para petistas et alii, meritocracia seria uma forma de sustentar a manutenção dos privilégios sociais. Sugiro, pois, agregar ao argumento da meritocracia a noção de que o mérito é condição de eficácia tanto da governança (pública) como da produtividade privada, para, daí, criarmos condições para resgatar as dívidas sociais. Do contrário, de “bolsa” em “bolsa” (e nelas incluo a bolsa-BNDES”) , iremos apenas avolumar o número de “protegidos” e apaniguados, quando o País precisa é de qualidade/seriedade capazes de fazê-lo aumentar o coeficiente de igualdade sem sacrificar a criatividade.

    Fiquei curioso com a referência, no final do e-mail, ao PV…

    Abr,
    Jorge L. Müller

  8. Eduardo Bernardes Ferreira says:

    Boa tarde Ademar. Perfeito o texto.
    Hoje em nossa empresa, me deparo muitas vezes com pessoas que se favorecem de tantos benefícios que o governo proporciona para aqueles que não querem trabalhar.
    Ainda tenho candidatos com quase 30 anos procurando estágio…
    Vejo que precisamos preparar muito nossos filhos, nossos jovens, para que mudem este perfil de ganhar sem trabalhar.
    É uma missão.

    Abs,

    Eduardo Bernardes Ferreira
    Diretor Operacional

  9. Silene Santos says:

    Prof. Ademar,

    O Brasil cresce de forma errada, é um país sustentado, quando deveria ser sustentável. Sustentado porque cresce baseado no consumo desenfreado, com consequente endividamento das pessoas. Hoje é muito fácil comprar um carro bacana, quando as vezes não se tem nem a casa própria. Ostentação!!!
    Educação?
    Segurança?
    Cada um por si e Deus pra todos.
    Vamos gastar milhões com a copa e desviar recursos de impostos para o próprio bolso.
    Talvez, depois de um estouro de crise, mudemos a nossa mentalidade e nos lembremos de poupar e crescer por mérito.
    Pena que essa mentalidade pode levar décadas e décadas para mudar.

    Abraço, e boa semana…

    Silene Santos
    Agente de Relacionamento
    PA Hauer
    Sicoob Sul – Paraná

  10. Juliano Siqueira de Oliveira says:

    Bom dia Ademar.

    Li seu artigo no Sinepe On Line de hoje (Que Falta Que o Mérito Faz!) e não poderia deixar de te parabenizar e agradecer.

    Isso porque, ao ler seu trabalho, senti o misto de concordância com o que dizia e ALÍVIO, na medida em que ainda existem pessoas que não tem medo de dizer a VERDADE.

    Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *